quinta-feira, outubro 18, 2018
Início Site Página 4

Pele linda também no verão

1

“Sol, cloro da piscina. Água salgada e até mesmo o “entra e sai” de lugares com ar-condicionado. Haja resistência! Manter a beleza da cútis no verão não é fácil, mas com boa vontade e alguns cuidados básicos, viver em paz com o espelho nesta época do ano é bastante viável.

Pra começo de conversa, o protetor solar é item indispensável da necessaire de qualquer pessoa que se cuida – diga-se mulheres, homens e crianças. Vale a pena investir e escolher aquele mais adequado ao seu tipo de pele. A dúvida cruel: podemos usar o protetor do corpo no rosto? Não é o ideal, porque o produto para o corpo costuma ser mais oleoso, enquanto o da face, nem sempre. Aliás, quem tem pele oleosa deve optar sempre pelos protetores em gel, para evitar cravos e espinhas.

E pra quem está de férias, ou trabalha e convive com sol escaldante, a dica é investir na praticidade. Não tenha dúvida: o make que vem com protetor é um BFF (best friend forever). Outra dica valiosa para o calor são os lenços umedecidos demaquilantes. Eu não saio de casa sem eles! Se você transpira, o make pode borrar, então eles são a salvação pra quem trabalha ou estuda, enfim, pra quem passa o dia fora de casa.

O ritual noturno ganha ainda mais importância nas temperaturas abafadas. Como a pele tende a ficar oleosa devido ao calor e suor, é importante usar um sabonete neutro e adequado ao tipo de pele para lavar o rosto antes de dormir, além do demaquilante e tonificante. Para finalizar, opte por um bom hidratante.

Outro recurso imbatível, que uso e recomendo, é esfoliar a pele – uma vez por semana, com produtos específicos para esse fim. A esfoliação é ótima para retirar as células mortas da pele e revigorá-la. Também aconselho uma boa sessão de limpeza de pele profissional acompanhada de um peeling. Assim, você entra na próxima estação com cútis de bebê. Beijos e até a próxima!”

 

 

O que pode ou não em relação à pílula anticoncepcional?

0

Apesar de estar disponível desde a década de 1960, a pílula anticoncepcional ou contraceptivo oral ainda gera dúvidas. Então, vamos esclarecer o que é verdade e o que não procede em relação a esse medicamento que deu início a uma fase de maior emancipação feminina desde que foi lançada.

Em primeiro lugar, boa parte das atuais pílulas anticoncepcionais se diferenciam das da primeira geração, por possuírem menores dosagens hormonais. Logo, seus efeitos adversos, como alteração da libido, enjoos, náuseas e dores de cabeça e nos seios, costumam ser menores. Ao mesmo tempo, há algumas pílulas que são indicadas não somente para a contracepção, mas também para diminuir certos problemas relacionados a desbalanceamentos hormonais, como excesso de acne e pelos no corpo (hirsutismo).

A pílula não engorda. Ela pode aumentar a retenção de líquido, o que dá uma sensação de inchaço, confundida muitas vezes com quilos extras. O método também não leva, de maneira alguma, à infertilidade. Em geral, em até três meses após a suspensão do medicamento, a fertilidade já está restaurada.

Se usada corretamente, sem esquecimentos, a eficácia em evitar a gravidez da pílula é de cerca de 99%. Ou seja, ela tem altíssima eficácia, desde que utilizada de acordo com a prescrição médica. Ela não é a única forma de evitar a gestação. Existem também os preservativos, o DIU, adesivos com liberação de hormônios, injeções de anticoncepcional, entre outras formas.

A pílula anticoncepcional não está isenta de contraindicações. Ela é um medicamento, por isso sua escolha deve ser feita em conjunto com o ginecologista, que deve conhecer todo o seu histórico clínico. Por isso, se você tem na família propensão genética a determinadas doenças, lembre-se de contar tudo ao seu ginecologista, para que ele possa avaliar os prós e contras desta opção, ok? Se você tem forte histórico familiar de câncer de mama ou de acidente vascular cerebral, por exemplo, seu ginecologista precisa estar a par.

Sabemos que os hormônios da pílula podem interferir no sistema circulatório da mulher de diversas formas, podendo resultar no aumento da dilatação dos vasos, da viscosidade do sangue e, consequentemente, da coagulação. Em razão disso, ela não é indicada e costuma representar um risco para fumantes, mulheres com histórico de trombose na família, pacientes com enxaqueca frequente, obesas, diabéticas, entre outros perfis.

Em resumo, a pílula precisa ser indicada por um médico, após análise do histórico da mulher. Em geral, seu uso é muito seguro e impede uma gestação indesejada. Não à toa, a pílula anticoncepcional ainda hoje é um dos métodos mais usados no mundo. Em caso de dúvidas, consulte seu ginecologista.

Assaduras: Melhor prevenir do que remediar

0

Elas tiram o sono dos pais e também dos bebês. As assaduras são bem comuns e costumam ser recorrentes até os dois anos de idade. Em forma de bolinhas, vermelhidão, inchaço ou descamações no bumbum e na virilha do bebê, a assadura, ou “dermatite da fralda”, não só pode doer, como coçar, deixando os pequenos irritados. Felizmente, elas podem ser tratadas rapidamente e evitadas também.

Vou te contar o que acontece. Como o bebê costuma usar diariamente o acessório, é normal que a pele fique mais úmida, quente e sem ventilação, aumentando assim a sensibilidade da região – mais suscetível a essas lesões. Por isso, sempre digo aos pais e cuidadores para apostarem na prevenção deste problema.

A primeira dica para evitar é: troque a fralda frequentemente, evitando que a pele do bebê fique muito tempo em contato com a urina ou as fezes. Na hora da limpeza, use um algodão com água morna no local. Se a criança evacuar, o ideal é um banho rápido com um sabonete de PH neutro. Nos passeios, opte pelos práticos lenços umedecidos.

Feita a higienização, outra arma infalível contra as assaduras são os cremes específicos para o problema e de uso pediátrico. Em geral, compostos de óxido de zinco, eles protegem a pele contra substâncias irritativas, servindo como uma barreira de bloqueio. Por fim, deixe o bebê sem fraldas em alguns momentos do dia para que a região coberta possa ser arejada.

E se você ainda tiver dúvidas, procure o pediatra da criança. Irritações ou assaduras também podem sinalizar infecções por fungos, casos em que são necessários, medicamentos específicos. Essas lesões também podem indicar algum tipo de alergia. O essencial de toda essa história é que não se brinca com a saúde dos pequenos. E o velho ditado se encaixa bem aqui: melhor prevenir do que remediar!

Quer inovar no make com sardinhas artificiais?

0

É fato que as sardas no rosto deixam as mulheres com um ar mais praiano, mais sensual ou até mesmo mais “moleca”. Quem tem o tom de pele mais clara, com cabelos loiros ou ruivos, pode exibir naturalmente essas charmosas pintinhas no rosto. E pra quem não tem, é possível recorrer ao make pra posicionar – e arrasar – com sardinhas artificiais.

Quem lançou a novidade foi o estilista britânico Paul Smith, que apresentou em seu desfile modelos com a pele mais clean, exibindo as sardas e reforçando a tendência de beleza de cara lavada. E pra dar esse efeito, não significa que você não deva preparar a pele antes com um bom primer, uma base adequada e o queridíssimo pó finalizador.

Dica – Basta um pincel com uma ponta bem fina e cerdas mais duras, um lápis marrom ou sombra no mesmo tom. Umedeça o pincel antes e faça pontinhos espalhados e suaves abaixo dos olhos, no nariz e maçãs do rosto – regiões onde as sardas costumam aparecer. Importante: faça pontinhos pequenos e em formatos diferentes pra ficar o mais natural possível. Não exagere. A ideia aqui é divertir-se com a proposta!

Uma dica valiosa pra não errar a mão: a versão em pó da sombra costuma sair com mais facilidade, por isso indico aquelas em gel ou pasta. Já o lápis é mais resistente, mas não esqueça que ele deve ser um tom abaixo da cor das suas sobrancelhas, ok? Pra finalizar, com o dedo, aplique levemente um pouco de pó e um fixador de maquiagem – é assim que conseguimos dar mais tempo de vida ao visual. Agora é só experimentar e “bora desfilar” as sardinhas por aí!

Pincéis precisam ver água e sabão de vez em quando

1

Espelho, espelho meu, quem fica mais linda maquiada do que eu?

Maquiagem é tudo de bom, não é mesmo? O que seria de nós sem ela? E nesse universo da valorização da nossa beleza por meio dos produtos que tonalizam, uniformizam e dão cores e contornos superespeciais à nossa face, os pincéis ocupam um lugar de importância. De vários tipos e tamanhos, esses instrumentos deixaram de ser exclusividade dos maquiadores profissionais. Ainda bem! Eles são fundamentais para um make bafônico.

Diva que é diva sabe: os pincéis não só ajudam nos efeitos especiais pra esfumar os olhos, fazer contornos lindos ou disfarçar linhas de expressão. Eles também evitam que o excesso de produto na pele comprometa o visual, e ainda garantem uma finalização única.

Mas, como quase tudo que temos em casa, eles precisam de higienização regular. É desejável que eles sejam limpos e bem secos a cada 10 ou 15 dias. Costumo usar água e xampu de bebê ou sabonete líquido, de preferência com PH neutro. É assim, com água e produtos de qualidade, que tiramos os resíduos das cerdas e evitamos o perigoso acúmulo de fungos e bactérias, que podem levar a infecções!

A higienização dos pincéis também é uma maneira inteligente de não colocar a make a perder. Imagine só: um dia você usa uma sombra cinza pra esfumar o olho, no dia seguinte, é a vez da sombra marrom. Se usar este mesmo pincel pra diferentes tons sem higienizá-lo, é bem capaz de ficar com uma cor indefinida nos olhos, mistura da sombra de anteontem com a de ontem e a de hoje.

Ah, e de nada adianta o banho, se não deixarmos os pincéis secarem bem. E atenção: não torça as cerdas pra não amassá-las ou danificá-las. Outra dica valiosa: guarde-os em um lugar seco, evite deixá-los no banheiro. Assim eles duram muito mais.

Gostou das dicas? Beijinhos e até a próxima!

Make certo pra desenhar o nariz

0

Sempre digo que um bom make é capaz de fazer milagres. Nem toda diva nasceu com o nariz que ela mesma considere ideal, mas sempre existe um jeito para torná-lo mais harmonioso via make, e apostar em um olho bafônico ou uma boca poderosa.

Um dos segredos do make, do mais básico ao mais complexo, é desviar o foco da atenção para os pontos “fortes” do rosto – podem ser os olhos, a boca, o contorno do rosto, o nariz. E não pense que no caso do nariz, ele precisa ser pequeno e delicado como o da diva pop Taylor Swift, aclamado como um dos mais belos no mundo das celebridades. Narizes maiores e mais afirmativos, como o da esposa do George Clooney, a advogada Amal Alamuddin, podem ser considerados muitos bonitos. E o que dizer no nariz da diva Beyoncé? Mara, né?

Se ainda assim você quiser brincar com efeitos especiais, é possível afilar o nariz com alguns truques básicos. Com um pincel, passe o pó, um tom mais escuro que a sua pele, nas laterais do nariz. Depois retire o excesso do produto, evitando espalhá-lo. Pra finalizar, use o corretivo, da mesma cor que a sua pele, na linha central do nariz, e espalhe levemente com a ponta dos dedos. Como um passe de mágica, o nariz fica mais “photoshopado”.

Quer dar uma leve arrebitada? É fácil. Aplique o pincel com o mesmo pó abaixo da ponta e esfume. O resultado é um nariz mais delicado que dá a impressão de traços mais suaves. Com o make pronto, vá até um espelho bem iluminado e dê uma olhada final pra ver se não ficou excesso de produto em nenhuma área próxima ao nariz, nas curvinhas. Depois disso, é só arrasar!

Boa memória exige treinamento e mudança de hábito

0

Na correria do dia, é comum esquecermos certas coisas, mas quando isso costuma ficar recorrente e atrapalhar, é importante pararmos para avaliar o que estamos fazendo de errado. Esquecer onde colocou o celular, de pagar uma conta ou de comprar o presente pro aniversário da noite é comum, quem nunca passou por isso? O problema é quando esses lapsos acabam interferindo em nosso cotidiano, no trabalho ou no relacionamento com os amigos ou mesmo com a nossa família.

Pouca gente associa, mas uma boa noite de sono pode ser a resposta para as falhas de memória. Sabemos que o sono não é apenas revigorante, mas, quando dormimos, algumas ondas cerebrais têm papel fundamental no armazenamento da memória. Por isso, valorize mais esse tempo de descanso. Tente dormir, pelo menos, de seis a oito horas por noite.

Situações de estresse também podem explicar nossos temidos lapsos. Trata-se de uma reação fisiológica do organismo, na qual o hormônio cortisol apaga a memória recente para que nos concentremos na situação impactante. É assim que explicamos o “branco” na prova, após um dia de estudos, por exemplo.

Sempre digo que a memória, assim como todo esporte, exige treinamento. O cérebro é como um computador onde estão arquivadas nossas lembranças. Para saber o caminho dessas informações, a dica é associá-las a uma trilha de dados, acontecimentos. Esta é uma tática usada por muitas pessoas que precisam memorizar uma quantidade significativa de informações. A dica é relacionar, por exemplo, uma data com um evento do qual tenha participado, um personagem histórico com um país e assim segue.

Treinar formas de associação, porém, não basta! Ainda é preciso estar sempre realimentando o cérebro com exercícios mentais, como ouvir música, ler, jogar, fazer palavras-cruzadas, desenhar, criar, estudar, entre outras ações intelectuais e até lúdicas, por que não? O segredo é viver, se relacionar, enxergar o que o mundo sempre tem a oferecer – receita infalível para manter a nossa saúde mental, física, emocional e a memória em dia.

Sempre digo que o cérebro comporta um número ilimitado de dados, portanto é importante estar sempre em busca de aprendizado para mantê-lo saudável. Esse tipo de hábito deve ser adotado desde a infância até idades mais avançadas.

Ainda devemos nos atentar para uma alimentação equilibrada. Estudos já nos mostraram que uma dieta rica em ômega 3 (peixes de água salgada e fria, como salmão, sardinha, bacalhau), vitamina B (banana, carnes – miúdos, vegetais verdes folhosos, cereais e ovos) e antioxidantes (vegetais) é fundamental para o cérebro funcionar corretamente.

E a dica final diz respeito à prática regular de atividade física. que auxilia na melhor oxigenação do cérebro, melhorando até o desempenho de suas funções.

Pode até dar trabalho conservar a memória em dia, mas o fato é que são mudanças de hábitos que podem ser divertidas e até prazerosas. Sem contar que a maioria delas também traz benefícios para a saúde do coração e para o seu bem-estar.

Quando a comida faz mal: alergia x intolerância alimentar

0

Muitas mães e pais ficam confusos quando descobrem que seus filhos sofrem de alergia a um determinado alimento e confundem o quadro com intolerância alimentar. Procuro sempre acalmá-los, informando que ambas as situações, felizmente, têm solução. E que é importante diferenciar um problema do outro para definirmos, juntos, o melhor tratamento possível.

No processo alérgico, o organismo da criança entende uma determinada comida como um inimigo, por isso “conclama soldados” para combatê-lo. São anticorpos. Os sintomas podem se manifestar como coceiras ou placas vermelhas, como uma dor de barriga, diarreia ou vômito ou em forma de tosse, espirros e congestão nasal. Vale lembrar que nem sempre esses sinais se manifestam da primeira vez que a criança ingere um determinado alimento. A gravidade dos sintomas, aliás, podem ir progredindo dependendo das vezes que a comida é ingerida.

Ou seja, na alergia alimentar, nem sempre os sinais são leves. Eles podem ser bem complexos e até perigosos. Isso porque, dependendo da intensidade do processo, a criança pode desenvolver o que chamamos de reação anafilática, quando ocorre queda de pressão, arritmia cardíaca, insuficiência respiratória grave. Por isso, a alergia alimentar precisa ser sempre identificada e o alimento causador, eliminado da alimentação do pequeno.

Em geral bem mais branda é a intolerância alimentar, que ocorre quando o organismo não consegue digerir uma determinada substância que compõe um alimento. No caso da intolerância ao leite, por exemplo, o intestino não produz lactase, a enzima que ajuda na quebra da lactose – um tipo de açúcar presente na bebida.

Então, ao contrário da alergia, que pode levar a sérios problemas caso não identificada e tratada, a criança com intolerância alimentar apresenta sintomas mais brandos e digestivos, mas que necessitam de atenção, como dor abdominal, diarreia, gases e vômitos. Claro que a intolerância precisa também ser identificada e tratada. Muitas vezes, como no caso da ingestão de leite, os sintomas dependerão da quantidade ingerida do alimento. Por exemplo, se o pequeno comer só um brigadeiro numa festa poderá ter um leve desconforto abdominal, mas se ingerir um copo de leite poderá ter uma séria diarreia, mas, se o problema for alergia ao leite, com uma mínima quantidade poderá ter sintomas mais sérios.

Em ambos os casos, o caminho é identificar e evitar os alimentos que causam alergia ou intolerância, excluindo-os do cardápio e procurando opções diferenciadas para evitar deficit nutricional. Em algumas ocasiões a alergia melhora com a idade, portanto é importante ter um acompanhamento médico.

Se seu filho tem algum desses problemas, fique tranquilo e ajude-o sempre a seguir o tratamento. Como regra de ouro, lembre-se de avisar a escola, os professores, avós e cuidadores sobre o problema. Dependendo da idade, a própria criança também deve ser avisada.

A hora e a vez das bocas coloridas

0

As cores vibrantes estão super em alta. Com o guarda-roupa ganhando mais cor, vale seguir a mesma tendência no make. Os batons em tons fortes conquistaram as it girls, fashionistas, bloggers e a mulher brasileira em geral. Pink, rosa, azul, uva, lilás, laranja, vermelho, vinho, marsala…

Assim como o resto do figurino, o batom pode antes de tudo combinar com a personalidade de cada mulher. Um batom de cor vibrante revela a mulher forte e determinada que existe dentro de você, e dá mais alegria e harmonia ao seu rosto.

Uma regra básica pra quem não dispensa lábios coloridos é ser mais comedida no resto do make, pra evitar exageros. Isso, amiga, vou te dar um conselho poderoso: pra ficar diva de verdade, evite carregar demais nos olhos, e aposte com tudo numa linda boca bem desenhada, já que ela é o foco da vez.

E como saber qual cor de batom combina mais? Quem possui a pele mais branquinha fica bem com tons avermelhados, mas, se o cabelo for mais acinzentado, escolha os batons nos tons laranja ou rosa. Nas morenas, indico cores mais intensas, como vermelho, acobreado e rosa queimado. Elas arrasam porque evidenciam a cor da pele. Nas peles morenas e negras, os tons fortes complementam o visual, como vermelho, roxo e pink – fica lindo. Nas peles orientais, sugiro abusar dos tons vinho ou rosa escuro.

Lembre-se: dependendo da cor do seu look, você também pode ousar e usar uma cor vibrante, variando a regra do tom de pele. Assim pode criar uma harmonia com seu visual.

Investir um pouco de tempo descobrindo o que realça a nossa beleza, pode ser extremamente prazeroso. Além do processo de descoberta e sensação de bem-estar, é uma forma de realçar o que você tem de belo. Ficar apagadinha, jamais!

Em resumo, se jogue nos batons sem medo de ser feliz!

Últimas postagens